terça-feira, 20 de junho de 2017

Repercussões.



Uma colega, também novata, teve um probleminha em sua primeira viagem a serviço aqui neste novo setor. Acho que ela entendeu erroneamente que a situação estava dominada e baixou a guarda. Ninguém se feriu, mas o fato repercutiu muito rápido.

Ela vai ficar um tempo "na geladeira" por conta desse incidente até se acalmarem os ânimos. Foi bem estranho terem-na tirado da escala sem avisar ou explicar que estavam fazendo isso para o seu próprio bem. Ela ficou mal. Foi bem desagradável essa história, mas não estou tomando as dores da colega não, reconheço que foram generosos em não tê-la feito voltar para seu local de trabalho original, porque fomos avisadas que isso poderia acontecer quando chegamos.

O fato do incidente ter acontecido com uma novata fez com que todo o universo voltasse os olhos para o segmento feminino do setor. A pressão aumenta consideravelmente, porque as mentes feudais questionam se essa função deveria ser mesmo realizada por mulheres.

Aprendi que somos mais cobradas que os homens. Os erros deles são tantas vezes considerados incidentes bobos de percurso, uma coisa normal da vida, quase um charme da profissão. Não é assim quando uma policial erra. Os comentários são maldosos, paradoxais e querem questionar a essência da nossa competência para o trabalho policial, seja a colega recém-chegada, antigona ou candidata.

E como se não bastasse, tudo isso alimentou a fogueira das vaidades das colegas mais antigas, que agora questionam a qualidade desse último recrutamento, discussão essa que, claro, lhes traz um certo star quality. É impressionante.

terça-feira, 6 de junho de 2017

Ambiente hostil.


Imagem relacionada

Boa noite pra você que tomou duas patadas e um gelo de oito longas horas num único dia de trabalho e bem-vindos ao maravilhoso submundo obscuro dos outsiders da polícia.

- "Mas Novinha, você mandou essa pessoa ridícula para o inferno ou apenas para o raio que a parta?" - pergunta o leitor dos meus pensamentos, desejoso de uma resposta à altura do esculacho que levei.

Calma amigos, porque antes de falarmos das relações brancaleônicas de poder no nosso já desbotado serviço público, informo que essa foi minha primeira operação com esta policial que chamaremos de Cercei Lannister. Na verdade ela não está na mesma missão que eu e a maioria das outras meninas. Minto. Ela está, mas o departamento dela é outro, a função dela é totalmente administrativa e nem arma ela usa.

Agora quero deixar claro que, por eu ser, na maioria das vezes, muito discreta, não estou exposta normalmente a esse tipo de agressão, mas dependo do trabalho dela... Eu pre-ci-so perguntar!

Olhando pelo lado bom da situação, agora saímos da zona da mera especulação para a certeza de que é oficial: estamos num ambiente hostil e iremos atuar nessa medida (é assim que se faz, Hannah Baker).

Não, amigos. Isso não é uma construção do meu hipotálamo, não, tá? O clima aqui não está legal e tem alguma coisa pegando, sim. Havia uma outra colega na cena, até então muito séria e fria como uma rocha, Paulina (nome fictício), que comentou na volta comigo: - "Nossa, não entendi porque ela te tratou daquele jeito". E numa grande oportunidade de ganhar minha primeira aliada na rebarba desse acontecimento... eu fiquei absolutamente calada.

  • primeiro porque se Paulina não entendeu, muito menos eu! 
  • segundo, porque Cercei tem uma considerável influência política junto às chefias do último escalão.
  • terceiro porque Cercei não deixa de ser uma referência forte para as outras policiais que, né, precisam de uma prótese na liderança feminina, devido à saída de Beatrix Kiddo.
  • quarto porque Cercei é do mesmo curso de formação de boa parte das meninas deste setor, o que, em tese, gera entre elas aquela afinidade espontânea. 
Assim, não vou dizer que fiz um voto de humildade franciscana, mas se o silêncio é o santuário da prudência, como apregoa o jesuíta espanhol Baltasar Gracián, é pra lá que eu vou! Ora, se Paulina quer entender Cercei, por que não perguntou a ela?

Aqui pra nós, eu até entendo que seja normal, embora anti-estético, que um policial novato seja tratado com uma certa frieza nos primeiros meses de trabalho pelos mais antigos até ganhar a confiança deles sobre a nossa capacidade, mas aprofundando um pouco mais a leitura, a pergunta que me vem é: em quê, afinal, consiste realmente essa desconfiança dark opressiva dela?

(Como é que eu vou saber, mundo cão?!?)

De qualquer forma, eu não cheguei aqui capinando sentada, né? Ninguém tem ideia da ralação e da honra que é pra mim estar aqui. Esta figura vai aprender a me respeitar naturalmente, porque o trabalho dela também depende do meu.

terça-feira, 16 de maio de 2017

Pra eu me lembrar de ser humilde.

Imagem relacionada


Estou conseguindo colher umas dicas legais de sobrevivência com os mais antigos aqui. É que eu ainda tenho essa coragem de acreditar que algumas pessoas sabem que sou nova no pedaço e têm uma certa boa vontade pra "me preparar" para o que pode vir a acontecer. Difícil é separar as fofocas e as histórias de terror daquilo que pode realmente ser útil.

Vejam o caso de Beatrix Kiddo, vamos chamá-la assim. Kiddo era uma policial que trabalhava neste setor antes de mim, legitimamente loira, alta, magra e linda. Por sua competência, ela era o arquétipo de mulher policial de sucesso em que todas nós mulheres policiais, nos espelhamos; uma lenda; uma verdadeira policial do Brasil que dá certo. Segundo a Constituição, Kiddo é o ícone absoluto para aquelas que querem atingir o sucesso e o respeito profissional de forma fina, elegante e sincera. 

Lembro-me de que, quando eu estava ainda dando meus primeiros passos na polícia, precisei do apoio dela em uma missão que vim cumprir aqui e ela agiu com a educação e nobreza de uma rainha. Impecavelmente profissional, porque ela era encantadora assim com todo mundo, mesmo. Nessa época ela já era chefe aqui e eu sequer imaginava ser possível para mim, um dia, trabalhar neste lugar. Não obstante, esta mulher já me mostrava que eu poderia chegar bem mais além do que eu achava ser possível. 

Adoraria aprender diretamente com ela, no dia a dia, mas como ela não está mais aqui, me contento com os spin-offs de testemunhas. Todos concordam que ela tinha o timing perfeito, o tom de voz preciso, a capacidade de intervir cirurgicamente e que ela sabia calcular de cabeça o delta espaço sobre o delta tempo da chegada ou retirada  na hora certa. Ela é talentosa em lidar com bom senso e oportunidade. Não me constranjo em dizer que ela sabe ser na prática o que eu só sei na teoria. Me debato com isso de saber chegar e saber sair o tempo todo. É uma habilidade, ainda pouco dominada por policiais, infelizmente, uma ciência que não se aprende na Academia.

- Certo. E por que então que ela "caiu"?

Boa pergunta. Fontes de confiança me disseram que ela foi dispensada dessa missão porque era "preparada demais, sabida demais, segura demais", dando a entender que foi sua própria vaidade que puxou o tapete dela.

- Sério mesmo? - Pergunto desconfiada. - Daí que eu nem sei por onde começar, amados. O que é isso, afinal, o "Dia Internacional do Mistério"? 

Assim, como policial mirim que sou, venho informar que não tenho como processar essa teoria esquizofrênica, ok? Porque não estou admitindo ninguém colocar "preparo", "sabedoria", "segurança" e "vaidade" na mesma frase. Se é uma pessoa vaidosa, logo, não tem preparo! Não tem sabedoria! E não tem segurança nenhuma!

terça-feira, 2 de maio de 2017

A primeira lotação a gente nunca esquece.

Resultado de imagem para carona

Então você ainda é aspirante a um cargo nas fileiras policiais e já está providenciando inquietações com a sua primeira lotação? Normal. Aí vão algumas noções preliminares pra você sobreviver às primeiras desilusões do lado de cá.

Antes de mais nada, acho charmoso quem se sente completamente à vontade com a escolha do cargo. Existem atividades típicas de escrivão, papi, perito etc. que estarão na pauta por toda a sua carreira. Logo, tenho muita pena de quem não tem a menor vontade de tocar inquéritos policiais e escolhe trabalhar como delegado ou escrivão, ou de quem é louco com armas e faz prova pra agente administrativo. Mas uma coisa é certa: cada cargo tem seu ônus e seu bônus, cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é. Uma escolha consciente do cargo já vai eliminar boa dose de frustração desde o início. 

O cargo onde a gama de atividades possíveis é maior, sem sombra de dúvida ou empáfia, é o de agente de polícia. Na prática, agentes podem ser lotados em qualquer setor da polícia, do plantão à corregedoria; Do setor de pessoal ao IML; Podem assumir tanto funções mais intelectuais, como aquelas mais operacionais e até administrativas. Têm chance de ter de lidar com o público externo; de trabalhar em grupo ou de cumprir expediente fechado numa salinha. Penso que o maior contingente na minha polícia é formado por ocupantes deste cargo. Assim, pelo menos teoricamente, é este profissional que tem mais liberdade ou flexibilidade de locomoção sem comprometer o efetivo local. Até pra conseguir uma permuta é mais fácil... agora, se só tem um papiloscopista na sua delegacia, normalmente o chefe só vai liberá-lo quando chegar outro pra ocupar o lugar dele. Note, porém, que uns 85% (ou mais, não sei) dos heróis mortos em combate foram policiais ocupantes do cargo de agente.

Claro que qualquer pessoa minimamente sensata entende que pra tudo isso existem cínicas exceções. Então vamos falar das exceções! Por exemplo, o critério técnico às vezes ajuda. Qualquer policial com habilitação para pilotar aeronave, terá boas chances de um dia ser recrutado pra trabalhar na atividade de operações aéreas, não é mesmo? Não tem nada de vil nisso, porque é um policial em 1.000 (10.000, sei lá eu) que já chega na polícia com essa habilidade. E a polícia precisa de pilotos de aeronave! Então, mesmo que ironicamente esse cara tenha sido primeiramente lotado na caixa prego do velho oeste ele tem chances de ser movimentado para este setor específico. Mas presta atenção! Eu disse "chance"... Não estou dizendo que se o cara tem brevê de piloto, certeza que ele vai pilotar aeronave policial... Sei, por exemplo, de inúmeros casos de colegas muito competentes que perderam oportunidades interessantes, simplesmente porque fizeram uma declaração pública infeliz sobre uma licitação mal feita, sobre seus planos de carreira ou sobre o cabelo do Diretor da Polícia. Diagnóstico: "queimado!". Outros não falaram nem fizeram nada, mas deram com a cara na porta por uma simples mudança da política interna do setor. Diagnóstico: "azarado!".

Desmistificando melhor o tema, dos agentes novinhos que chegaram na primeira lotação junto comigo, parece que o primeiro critério para determinação de lotação dentro da delegacia foi a capacidade técnica. Quem declarou habilidades administrativas (licitação, contratos, jornalismo, RH, TI, etc), assumiu funções ligadas a tais áreas. Os demais foram pulverizados nos setores mais carentes de pessoal.

Pelo que observei, as lotações internas mais traumáticas foram a de um colega muito bacana que tinha experiência em tribunal, olhinhos azuis, todo mauricinho que foi designado a cuidar do transporte. Alguém aí faz concurso pra polícia sonhando em cuidar das viaturas? Ficou visivelmente desapontado, mas foi. Ficou nesse setor por uns dois másculos anos e depois conseguiu um lugar pra chamar de seu. Teve também uma colega especializada, que foi para o RH super voluntariamente, feliz e realizada, mas ao assumir a função, bateu de frente com uma agente administrativa, antiga chefe do setor e quase se pegaram. Dava pra ouvir o choro nervoso dela na sala do chefe. Mas todos sobrevivemos.

quinta-feira, 20 de abril de 2017

Adaptações.

Mulher-Usando-Coturno

Pela primeira vez na vida, notei que minhas pernas estão, de fato, muito bem definidas, embora eu nem tenha feito muita força pra isso. Apesar dos risinhos dos colegas quando acuso essa minha condição estranha, não era pra menos... porque foi esse o jeito que encontrei de me enturmar com os meninos nesse novo local de trabalho - fazer atividade física com eles - judô, jiu jitsu, corridinha e malhação. A propósito, não quero causar nenhum mal-estar nos demais setores da polícia, mas aqui a gente tem essa graça de, com muita classe e elegância, malhar no horário de expediente. Sim, é parte da programação, inclusive.  

Quero apenas que morram de inveja, pois a grande maioria dos colegas que chegou junto comigo ficou lotada numa seção que facilita o aprendizado e o treinamento. Então além de cuidar do preparo físico, estou estudando a papelada, revendo aqueles pontos mais delicados, tirando dúvidas que surgem no dia a dia e tenho conseguido acompanhar os treinamentos muito bem. Eu precisava dizer isso porque "isso" é condição básica pra quem quer durar pelo menos uns dois anos neste setor aqui.

(O trabalho é tenso às vezes, mas a cada turno de serviço tenho a oportunidade de conversar com um colega mais interessante que o anterior. Nossa! É cada história de vida! Dava pra escrever vários e excelentes livros sobre policiais infiltrados, policiais atletas, policiais especialistas, policiais que cumpriram missão no exterior! É muita riqueza institucional por metro quadrado!)

Sinto-me realmente privilegiada por fazer parte deste grupo, mas não sei quanto tempo vou aguentar, não... A diretoria é muito, mas muito, muito exigente e a carga horária às vezes chega a ser exaustiva! Nessa brincadeira, como você já deve imaginar, vida social é quase zero. Além disso, já sacrifiquei meu cursinho de Francês e só malho no serviço, agora, porque todo o tempo livre que tenho ultimamente é pra ir pra casa cuidar dos meus homens, mas tenho conseguido levar bem.

Minha maior dificuldade por enquanto é que não estou conseguindo me enturmar com as meninas do trabalho... Estou tirando zero nessa prova. Nossas escalas de serviço, treinamento e viagens não coincidem de jeito nenhum e eu simplesmente não consigo ter acesso a elas. Quando passo por uma ou outra no corredor, estão sempre correndo, ninguém tem um minuto pra um café... Sei que tudo leva um tempo pra acontecer, mas tenho muita dificuldade de provar que sou legal pra quem não tá interessada, logo, não provarei. 

Sinto falta de uma coisa chamada amizade que ajuda muito, não é mesmo?

sábado, 7 de janeiro de 2017

Meninas que dormem no banheiro.

Resultado de imagem para rookie blue vestiário

Uma das coisas que mais me deixavam curiosa neste novo local de trabalho, era ver como as meninas daqui atuavam. Eu queria muito saber como elas resolvem coisas que até hoje não resolvi. Não tinha nenhuma instrutora no curso, o que é uma pena, porque elas sempre dão uns bizus para o público feminino. Sim, já tinha visto algumas dessas meninas operando, mas foi sempre de longe, no máximo um olá, ou minutos rápidos daquela conversa formal de quem se respeita e se analisa mutuamente.

Na verdade só fui apresentada ao segmento feminino, informal e acidentalmente no banheiro das meninas. Foi meio traumático, pra falar a verdade. Neste "posto", nós não temos o que se pode chamar de alojamento para repouso. Nos banheiros temos aqueles armários individuais e alguns sofás. Entrei nesse toilete feminino, acendi a luz e bingo... Tinha umas quatro meninas descansando lá, na hora do almoço. Dormindo, né? 

Lembrei-me da aula de bombas e explosivos quando o professor dizia "não acendam a luz quando entrarem num ambiente com suspeita de bombas". Hihihi... Tudo bem, não foi nada, mas sabe? E essa foi minha breve introdução. 

Lembro-me que uma delas, que nem é tãããão antiga assim, estava com uma cara meio grogue de tanto sono. A outra me olhou como quem diz "quem é esta que perturba?". Era eu me explicando, "Desculpa gente, não, era nada não. volto depois"  e blé. Fugi.

Mas isso aconteceu tão logo cheguei aqui. Como eu havia dito, o blog tá atrasado e inclusive, nosso aniversário passou sem postagem especial no ano passado. Pretendo me redimir.

Mas voltando ao assunto, ainda estou procurando por alguma marca de estilo que a experiência delas tenha trazido para nossa atividade. Quero muito aprender algo delas que eu leve comigo depois que eu sair daqui. E que seja exclusivo, porque isso aqui é uma experiência única! Sei lá se estou ficando exigente demais. Simplesmente me recuso a aceitar que a doutrina seja tão masculina assim.

Até o presente momento a única coisa que eu sei, é que as meninas aqui dormem no banheiro e dormem mesmo. Agora, por mais que eu me mate o dia inteiro e esteja exausta na cama por volta de 20 horas quase todos os dias. Eu não vou dormir assim no banheiro, gente. Ou seja, algo me diz que trarei um certo desconforto iluminista ao ambiente. Fiat lux!